É verdade que se eu não devolver o dizimo não serei salvo?

Se eu não devolver o dizimo não serei salvo?

7 pensou em “É verdade que se eu não devolver o dizimo não serei salvo?

  1. Dismo não salva miguem,só o Senhor Jesus pode salvar o pecador, não há nem um outro nome dado entre os Homens,pelo o qual devemos ser salvos,Atos.4:12. em joão 14:6, ele é a unica verdade que leva leva o Homem a Deus.

  2. Não quem salva é Jesus
    Se você é realmente salvo e conhece a Palavra de Deus, então você sabe que a bíblia fala sobre o dizimo e o coração do salvo arde por ajudar a abra de Deus.

  3. Olá, Zito!

    Não, não é verdade. A salvação está fundamentada em Cristo somente, ela não é baseada em méritos ou obras, mas no favor imerecido de Deus. Ef 2:8-10

    Aliás, em lugar algum o novo testamento diz que os cristão devem dar o dízimo, a palavra “dízimo” aparece apenas algumas vezes no novo testamento, e em todas elas a palavra está relacionada aos judeus dos tempos de Cristo ou aos judeus da antiga aliança. Não existe sequer uma ordem no novo testamento dizendo que o cristão deve dar o dízimo.

    Mas, é bom deixar claro que o novo testamento fala constantemente de ofertas voluntárias, apesar do dízimo não ter nenhum valor ao cristão, quer seja em relação a salvação ou ao que for, a igreja como instituição precisa da colaboração dos filhos de Deus para o seu correto funcionamento, assim como é dever de cada cristão ajudar os que se encontram necessitados e aflitos, mas tudo de forma voluntária, com amor e caridade, e não como obrigação ou como meio de se conquistar algo da parte de Deus. O verdadeiro cristão possui essas qualidades de amor e respeito ao seu próximo.

    Segue abaixo alguns versículos que falam sobre as ofertas e sobre o ajudar ao próximo no novo testamento:

    Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria. 2 Coríntios 9:7

    Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça;
    2 Coríntios 9:10

    Porque a administração deste serviço, não só supre as necessidades dos santos, mas também é abundante em muitas graças, que se dão a Deus.
    2 Coríntios 9:12

    Se um irmão ou irmã estiver necessitando de roupas e do alimento de cada dia
    e um de vocês lhe disser: “Vá em paz, aqueça-se e alimente-se até satisfazer-se”, sem porém lhe dar nada, de que adianta isso?
    Tiago 2:15-16

    Abraços!

  4. Faço de minhas as palavras de Hamilton F.!

    Deus vos abencoe e vos conceda paz que só Ele pode dar!
    Reino de Deus não é barganha: e sim, justiça, paz, gozo e Amor > amor a Deus, e amor ao próximo!

  5. É verdade sim, porque do senhor diz em Malaquia 3:8″ Roubará o homem a Deus? todavia vós me roubais, e dizeis:Em te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas alçadas”,

    Deus considera ladrão quem não entrega o dízimo e ofertas.

    Vejamos o que diz a Palavra de Deus em I Cor. 6:10 “Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os somitas, NEM OS LADRÕES, nem os avarentos, nem os bêbaos, nem os maldizentes, nem os ROUBADORES herdarão o reino de Deus”.

    Portanto, se Deus considera ladrão quem não entrega dízimos e ofertas, os ladrões , não entrarão, no reino dos céus. Assim, entregar dízimo e ofertas é sim questão de salvação.

    Não é bíblico se dizer que novo testamento, não trata de dízimo, irmãos na igreja primitiva (Atos), os crentes não dava só dízimo, mais todos os seus bens,

    Sobre tema, ensina II Corit. 9:7″ Cada um contribua segundo propês no seu coração, não com tristeza, ou por necessidade, porque Deus ama a quem dá com alegria”.

    Irmão, obediência a Deus, começa converção do nosso bolso. Como a obra de Deus, poderia se manter, se não houvesse a contribuição dos irmãos.

  6. Dízimo foi instituído por Deus, as primeiras citações referem-se ao período patriarcal, a Palavra mostra-nos Abrão (“E de tudo lhe deu Abrão o dízimo.” Gn 14.20) e Jacó (“e, de tudo quanto me concederes, certamente eu te darei o dízimo.” Gn 28.22) como observadores desta prática. Posteriormente, com a Eleição de Israel como povo de Deus, tornou-se um mandamento.

    O dízimo era uma prática comum antes da Lei, durante a Lei e um modelo que pode ser observado por nós.

    O Novo Testamento deixa claro que o Senhor Jesus reconhecia o dízimo como um mandamento válido aos Israelitas, inclusive, era judeu e nascido sob a Lei (“Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei,” Gl 4.4), com a missão de cumpri-la (“Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.” Mt 5.17,18).

    Jesus não determinou de forma direta a obrigatoriedade em dar-se “os dízimos” aos participantes da Nova Aliança, no entanto, este costume é citado algumas vezes no Novo Testamento.

    A igreja de Cristo precisa entender que os dízimos são uma forma de “oferta” agradável a Deus, fundamenta no amor, necessária para suprir as necessidades da Obra, tanto na evangelização como na manutenção de templos.
    O Novo Testamento não traz profundas referências a respeito do tema, mas, movidos pelo Espírito Santo, compreendemos que é bom e agradável dizimarmos a Deus, pois O amamos e entendemos que os recursos financeiros são necessários para a pregação do evangelho.

    Paulo, dirigindo-se às igrejas ensina que deveriam fazer coletas, nas quais os servos dariam segundo a sua prosperidade (“Quanto à coleta para os santos, fazei vós também como ordenei às igrejas da Galácia. No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte, em casa, conforme a sua prosperidade, e vá juntando, para que se não façam coletas quando eu for.”1Co 16.1-2).

    É uma ação de amor, generosidade e alegria (“E isto afirmo: aquele que semeia pouco pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará. Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria. Deus pode fazer-vos abundar em toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em toda boa obra, como está escrito: Distribuiu, deu aos pobres, a sua justiça permanece para sempre.” 2Co 9.6-9).

    As ofertas eram segundo as posses da cada um. Este é o mesmo entendimento para o dízimo, uma doação à igreja de ofertas agradáveis, que serão usadas na manutenção do templo, missões e no auxilio aos irmãos mais carentes, ligados ou não à denominação, afinal, no Reino não há denominações.

    É inaceitável que as igrejas (instituições) guardem o dinheiro do Senhor (poupança e aplicações financeiras diversas) enquanto há tantos irmãos em frentes missionárias, ministérios, etc. necessitados de recursos financeiros para a pregação do evangelho.

    Usa-se como parâmetro para as ofertas atuais décima parte dos rendimentos (salário, retiradas, etc), no entanto, não é uma obrigação usar a calculadora, oferte com liberalidade e amor.

    Em nossos dias o ato de dizimar e ou ofertar estão desgastados; é visto pela sociedade como um meio de explorar a fé dos mais simples. Esta visão deturpada nasceu em decorrência dos exageros praticados por pregadores que não observam os princípios de Deus em suas vidas, e literalmente roubam os servos ao fazerem promessas mirabolantes de riquezas e prosperidades advindas da entrega do dízimo.

    O Apostolo Paulo, escreveu uma carta à igreja de Corinto, na qual diz:
    “O homem natural não aceita as cousas do Espírito… pois lhe é loucura; e jamais pode entendê-las.” 1Co 2.14

    O dízimo é uma bênção àqueles que nasceram de novo e são movidos pelo Espírito de Deus em todas as situações. O homem natural (em pecado) não entende estas coisas e são tomados por questionamentos diversos, usando-os como base, não aceitam o nosso ato de alegria que leva-nos a reservar partes dos rendimentos para o Senhor e disponibilizá-los na forma de dízimos e ofertas.

  7. Queridos!
    A paz do SENHOR JESUS CRISTO, seja com todos.

    Tendo lido todas as respostas, e comentários aqui mencionados , quero expressar, não a minha opinião, pois esta já não vale mais nada, mas sim a doutrina de JESUS, que é segundo o evangelho da verdade.
    A BÍBLIA é, e deve ser sempre nossa única via de conduta de regra e FÉ.
    Quando o assunto é dinheiro, você toca num ponto fraco de todos os homens; Paulo diz, que o homem natural não compreende as coisas do ESPÍRITO de DEUS, porque lhes parecem loucuras. Dizer que o dízimo é da lei, é desprezar a doutrina das Escrituras, pois o primeiro dizimista na Bíblia foi ABRAÃO, e a lei só veio existir muito tempo depois, através de MOISÉS; e quanto aos que a palavra de DEUS faz menção de, ladrão, avarento.[Ler com diligência (Mateus 23:23c); (I Coríntios 6:9,10); (Hebreus 7:14,5,6,7,8,9)].
    A Salvação é pela graça, o SENHOR não nos achou perfeitos, mas para nos aperfeiçoar.
    Assim diz o SENHOR à nós, pela boca do profeta JEREMIAS(cap.33:3):[Clama a mim, e responder-te-ei, coisas grandes e firmes que, não sabes]; ainda pelo salmista em SALMOS (25:14):[ O segredo do SENHOR é para os que o temem; e ele lhes fará saber o seu concerto].
    Então meu amado! Este é o meu conselho: Busque ao SENHOR com temor na tua alma; DEUS revela a sua palavra aos que o buscam com “temor”; não há como obedecer a palavra de DEUS e aceita-la se não existir o temor; O temor a DEUS, é o princípio da sabedoria( Prov.9:10) leia também Prov.2.
    Considera o que digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo(2 TIMÓTEO 2:7). Que DEUS em CRISTO, te abençoe maravilhosamente. Amém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *